Literatura chinesa traduzida se torna global

- May 11, 2019-

Em 28 de setembro, o “Simpósio Internacional de 2018 sobre Literatura Chinesa Traduzida e sua Recepção fora da China” foi organizado pela Escola de Estudos de Inglês da Universidade de Estudos Internacionais de Xangai (SISU). Mais de 130 especialistas participaram do simpósio. Howard Goldblatt, renomado tradutor americano e sinólogo, faz um discurso na cerimônia de abertura. Foto: SISU

Recentemente, o “Simpósio Internacional de 2018 sobre Literatura Chinesa Traduzida e sua Recepção fora da China” foi organizado pela Escola de Estudos de Inglês da Universidade de Estudos Internacionais de Xangai (SISU) em Xangai.

A tradução, divulgação e pesquisa da literatura chinesa contemporânea desempenha um papel significativo ajudando o mundo a entender a China contemporânea e facilitando o intercâmbio cultural entre a China e os países estrangeiros. Zhang Feng, vice-presidente da SISU, disse que a literatura chinesa contemporânea reflete as vidas, idéias e sentimentos dos chineses contemporâneos e é também um retrato vívido de seu mundo empírico e espiritual.

A promoção e recepção de obras literárias chinesas traduzidas no exterior desde a reforma e abertura facilitaram a comunicação entre as comunidades de tradução, publicação e academia e entre autores, tradutores e leitores. Isso tem avançado a tradução e o estudo da literatura chinesa contemporânea, a reflexão sobre como tornar a literatura e a cultura chinesas globalizadas e a introdução da literatura chinesa na visão e pensamento dos leitores estrangeiros, disse Zhang.

Zha Mingjian, reitor da Escola de Estudos Ingleses da SISU, disse que a tradução da literatura chinesa contemporânea tem dois sistemas: tradução doméstica e tradução de sinólogos estrangeiros.

Os estudos sobre a literatura chinesa contemporânea traduzida devem ir além dos estudos sobre estratégias de tradução e estender-se a fatores fora do próprio texto. Por exemplo, Zha continuou, mais estudos devem ser conduzidos sobre a relação entre a visão de um tradutor sobre literatura e sua escolha de estratégias de tradução, sobre a relação entre as estratégias de promoção adotadas para um trabalho traduzido e sua recepção, e sobre a imagem de China contemporânea apresentada por essas obras literárias traduzidas no exterior.

Howard Goldblatt, um tradutor americano e sinólogo, disse que a tradução deve ser inclusiva e não deve ser dividida. A tradução literária é significativa e valiosa, pois é benéfica para as pessoas comuns e a causa da literatura; pode curar corações e facilitar o intercâmbio entre diferentes culturas. Mas a tradução também é um trabalho árduo. Como um agente do autor, o tradutor deve servir ao autor e aos leitores. Como encontrar um equilíbrio e fazer um bom trabalho é um enorme desafio para os tradutores.

A tradução e a publicação da literatura chinesa são da responsabilidade de ajudar a cultura chinesa a se globalizar, e a chave é melhorar a qualidade da tradução e a recepção dos trabalhos, assim como melhorar as estratégias de publicação e disseminação. Wang Yingchong, professor associado da Escola de Estudos Internacionais e de Inglês da Universidade de Estudos Estrangeiros de Beijing, disse que as obras literárias traduzidas tradicionalmente publicadas precisam interagir mais com outras mídias, incluindo periódicos, cinema, televisão e plataformas online.

A tradução de obras literárias não é apenas conversão entre línguas, mas entre culturas. Li Mei, professor associado da Escola de Jornalismo e Comunicação da SISU, disse que, ao promover a globalização da cultura chinesa, as conquistas de traduzir a literatura chinesa para leitores estrangeiros são inegáveis. Para ampliar a vitalidade das obras literárias chinesas contemporâneas na cultura estrangeira, os tradutores devem tentar superar muitas barreiras na linguagem, religião, estética e assim por diante, para tornar as obras traduzidas mais aceitáveis para os leitores ocidentais. Li destacou que os tradutores devem adotar uma postura neutra e tentar encontrar um terreno comum entre a cultura oriental e ocidental, de modo que os leitores ocidentais possam ter mais interesse na cultura oriental.